Obrigação da Apple de permitir lojas de apps no Japão.

Date:

Compartilhe:

Em um grande avanço para a abertura de mercados digitais, o Japão aprovou uma lei exigindo que gigantes de tecnologia, como a Apple e o Google, permitam lojas de aplicativos de terceiros em seus sistemas operacionais iOS e Android. A partir do fim de 2025, essas empresas terão que se adequar às novas regras, abrindo caminho para uma maior concorrência e escolha para os consumidores japoneses.

Principais Destaques

  • Japão aprova lei semelhante à DMA da UE: Assim como a legislação europeia, o Japão exigirá que a Apple e o Google permitam outras lojas de aplicativos em seus sistemas, além de facilitar a troca de aplicativos padrão nos dispositivos.
  • Critérios não definidos para empresas afetadas: Diferentemente da DMA, a lei japonesa não estabelece critérios claros sobre quais empresas serão consideradas em situação de oligopólio e, portanto, sujeitas às novas regras.
  • Multas pesadas por violações: Empresas que violarem a lei poderão ser multadas em até 20% da receita do serviço em questão, valor que aumenta para 30% em caso de reincidência.

Embora a Apple e o Google sejam os principais alvos desta nova legislação, é provável que outras gigantes de tecnologia como a Microsoft e a Meta também sejam afetadas. No entanto, ainda há incertezas sobre quais critérios exatos serão utilizados para determinar quais empresas estarão sujeitas à lei.

Uma diferença significativa em relação à legislação da União Europeia é que no Japão a definição de uma empresa atuando em oligopólio não está clara. Na UE, por outro lado, a classificação é baseada no número de usuários da plataforma. Por exemplo, o iMessage da Apple não terá que oferecer interoperabilidade com outros aplicativos de mensagens, já que não atinge o limiar mínimo de usuários, enquanto o WhatsApp, da Meta, será obrigado a se comunicar com serviços concorrentes.

Do meu ponto de vista, essa nova lei japonesa é um passo importante na direção certa. Por muito tempo, as grandes empresas de tecnologia exerceram um controle excessivo sobre seus ecossistemas, limitando as opções dos consumidores e dificultando a entrada de novos concorrentes no mercado. Ao obrigá-las a abrir suas plataformas para outras lojas de aplicativos, o Japão está promovendo uma competição mais justa e saudável, o que pode resultar em preços mais baixos, mais inovação e uma maior variedade de escolhas para os usuários.

No entanto, é crucial que a legislação seja implementada de maneira clara e justa. Os critérios para determinar quais empresas serão afetadas precisam ser bem definidos, a fim de evitar incertezas e interpretações divergentes. Além disso, as multas por violações devem ser suficientemente pesadas para desencorajar práticas anticompetitivas, mas não tão severas a ponto de prejudicar excessivamente as empresas.

Conclusão

Em resumo, a aprovação dessa lei no Japão é um passo positivo na direção de um mercado digital mais aberto e competitivo. Embora ainda haja alguns detalhes a serem esclarecidos, não há dúvida de que essa medida trará mais opções e liberdade de escolha para os consumidores japoneses. É uma vitória para a concorrência justa e um lembrete de que, mesmo para as maiores empresas de tecnologia, há limites para o poder de monopólio.

Obrigação da Apple de permitir lojas de apps no Japão.
Source: tecnoblog.net


Html code here! Replace this with any non empty raw html code and that's it.

Artigos relacionados

Fallout recebe 16 indicações ao Emmy, tornando-se segunda série de games mais indicada.

Você sabia que a série de Fallout se tornou a segunda mais indicada ao prestigiado Prêmio Emmy 2024?...

Marcelo e Zélia planejam acabar com casamento de Artur.

Marcelo e Zélia têm um plano audacioso para acabar com o casamento de Artur, o que pode causar...

Turista morre em acidente com lancha no Rio Araguaia.

Uma tragédia marcou as férias de uma família no Rio Araguaia. Uma turista de 61 anos morreu afogada...

Empresas usaram vídeos do YouTube para treinar IA sem permissão.

Ás grandes empresas de tecnologia estão usando vídeos do YouTube sem permissão para treinar seus sistemas de inteligência...