O empresário acusado de grilagem e propina na Amazônia.

Date:

Compartilhe:

O “rei do carbono” Ricardo Stoppe Junior, um empresário paulista que se apresentava como fazendeiro preocupado com a preservação ambiental, acabou preso pela Polícia Federal (PF) sob a acusação de vender créditos de carbono lastreados em terras griladas da União e de reserva indígena, usando esquemas fraudulentos e pagando propinas a servidores públicos.

Principais Destaques

  • Stoppe Junior construiu imagem de empresário que investe em negócio sustentável com créditos de carbono, mas acabou preso pela PF em operação contra grilagem de terras e propinas.
  • Ele é acusado de um esquema de venda ilegal de R$ 180 milhões em créditos de carbono, usando terras griladas da União e de reserva indígena, com fraudes em cartórios e pagamentos de propina.
  • Apesar de se apresentar como preservacionista, investigações apontam que Stoppe Junior corrompeu oficiais de cartório e policiais para expandir ilegalmente suas terras na Amazônia, ameaçando áreas protegidas.

O Rei do Carbono Caído

Meu nome é Ricardo Stoppe Junior, e eu fui o alvo principal da Operação Greenwashing, deflagrada pela Polícia Federal no início deste mês. Durante anos, construí cuidadosamente a imagem de um empreendedor preocupado com a preservação ambiental, investindo em créditos de carbono na Amazônia. Porém, tudo desmoronou quando fui acusado de um esquema massivo de grilagem de terras e corrupção.

Nasci no interior de São Paulo e sou formado em medicina, mas descobri que minha verdadeira paixão era pelos negócios. Nos anos 2010, comecei a investir em créditos de carbono, que têm lastro em projetos que reduzem danos ambientais. Uma unidade equivale a uma tonelada de CO2 que deixou de ser emitida, e empresas podem comprá-las para compensar seus impactos. Rapidamente, me tornei um dos maiores players nesse mercado bilionário.

Para o público, eu me apresentava como um fazendeiro que optou pelos créditos de carbono porque ganharia mais dinheiro na Amazônia do que criando gado. Dizia estar há 20 anos na região e que sentia ter nascido ali. Nas redes sociais, me posicionava como um bolsonarista convicto, chegando a defender intervenção militar em postagens.

O Esquema de Grilagem

No entanto, as investigações revelaram um esquema muito mais sombrio por trás do meu suposto negócio sustentável. A Polícia Federal identificou que eu estava vendendo créditos de carbono lastreados em terras griladas da União e de reserva indígena, através de fraudes em cartórios e pagamentos de propinas a servidores públicos.

Um dos principais focos da investigação foi o projeto Fortaleza de Ituxi, que eu dizia ser uma área de 133 mil hectares preservada no sul do Amazonas. Na verdade, parte dessas terras pertencia à União e à Terra Indígena Kaxarari. Através de corrupção em cartórios e apresentação de documentos falsos, conseguimos expandir ilegalmente o tamanho dessas áreas.

Propinas e Corrupção

O empresário acusado de grilagem e propina na Amazônia.
Source: metrópolis.com.br

As provas contra mim são esmagadoras. A PF obteve conversas minhas mencionando propinas a uma oficial de cartório em Apuí, no Amazonas. Em um áudio, eu falo sobre pagar R$ 700 mil para essa servidora. Outras conversas revelam minha influência sobre policiais na região, citando acordos e pagamentos para favorecer meus interesses.

Meu braço direito chegou a listar números telefônicos que estariam grampeados em uma investigação sobre nossas atividades. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) também identificou transações suspeitas envolvendo R$ 1,1 bilhão.

Conclusão

Apesar de toda a fachada de empreendedor sustentável, a verdade é que eu estava profundamente envolvido em um esquema criminoso que ameaçava terras protegidas e comunidades indígenas na Amazônia. A ganância me cegou, e agora estou pagando o preço por minhas ações. Espero que meu caso sirva de alerta para a necessidade de preservar verdadeiramente nossa floresta, sem corrupção ou exploração ilegal.


Html code here! Replace this with any non empty raw html code and that's it.

Artigos relacionados

Arquivo salvo no Google Drive acessado sem permissão do usuário.

Quando o usuário Kevin Bankston, um especialista em governança de IA, abriu seu documento de declaração de imposto...

Ex-namorada é alvo de tiro após casal arquitetar ataque no DF.

Uhh, você não vai acreditar no que aconteceu! Parece que um casal arquitetou um plano macabro para tentar...

Nova camisa da Juventus para a temporada 2024/25 é revelada.

A Juventus lançou sua nova camisa para a temporada 2024/25 do Campeonato Italiano, e ela promete ser um...

Expansão da Warner Music Group na música regional brasileira.

A Warner Music Group está fazendo investimento e ampliando sua estratégia com foco na música regional brasileira. Através...